quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Aula: Alegria de viver / Percepção - dentro / fora (0/3 anos)

OBJETIVO: Estimular na criança a discriminação visual e espacial, a coordenação motora, que possibilitam a alegria e a integração com o grupo. Envolvê-la usando o aspecto lúdico na atividades.(Atividade lúdica é todo e qualquer movimento que tem como objetivo produzer divertimento).


QUADRO DE IMAGENS: (ver exemplo) As aulas deverão ser bem ilustradas e, na medida do possível, com elementos relacionados à historia. Mostrar a alegria nas atividades.


CANTINHO DO SABE: Colar imagens de pessoas: crianças, jovens, adultos sentindo prazer nas atividades fisicas.

(A sala deverá ter um cantinho onde serão colada  figuras e frases relacionadas às aulas. Na aula seguinte reler as frases e perguntar se lembram da historinha, 
fazendo uma rápida recapitulação com o objetivo de manter a  sequência do estudo).

HISTÓRIA :  O TRENZINHO (ilustrações e atividade)

Tobi e seu amigo foram passear no parque de diversão que chegou na cidade. Tinha cada brinquedo legal: roda-gigante, carrossel, aviãozinho... Mas o de que mais gostaram foi o trenzinho. Sabem por quê? O trenzinho tinha vagões onde podiam entrar e sair, e apitava assim: piuiiii, piuiiii... Era muito divertido.
Quando o trenzinho parava na estação, o condutor falava:
- Todos para dentro!
E la corriam eles para dentro, sempre cantando. Quando o trem parava na outra estação o condutor falava:
- Todos para fora! Trocar de vagão!
Os passageiros seguiam a ordem e era uma alegria só.
Tobi e seu amigo gostaram tanto do trenzinho que, quando chegaram em casa, fizeram um trenzinho com caixas de papelão para continuar a brincadeira. Vamos brincar também?


SUGESTÃO: MUSICA
Cantar a música "O trem de ferro"ou outra para acompanhar a brincadeira de trenzinho formando uma fila, com as mãos nos ombros do amigo da frente


ATIVIDADE: TRENZINHO COM CAIXA DE PAPELÃO
Encapar caixas de papelão ou plástico, imitando um trenzinho e seus vagões. Dar a ordem: todos para dentro, todos para fora...

BAMBOLÊ
Colocar vários bambolês no chão. Pedir às crianças que saltem para dentro ou para fora do bambolê, conforme a ordem dada.

SUGESTÃO PARA SER ENTREGUE AOS PAIS ATRAVÉS DA CRIANÇA: (as crianças gostam e os pais também)

 Reflexão:
"Amar no sentido profano do termo, é ser leal, probo, consciencioso, para fazer aos outros aquilo que se deseja para si mesmo"
Allan Kardec, O Evangelho segundo o Espiritismo, cap XI, item 10.

Fonte:Evangelização Infanto-Juvenil - Aliança Espírita Evangélica

 

Atividades: Alegria de viver / Percepção - dentro / fora (0/3 anos)


Aula: Altruísmo/Prazer de viver (0/3 anos)

OBJETIVO: Moral Cristã - Convidar a criança à prática do bem. Incentivar a bondade, colaboração, alegria de viver, amizade. Tudo deve ser apresentado de maneira simples, levando a criança a descobrir, por si só, a moral da história. A criança deverá entender que os ensinos que recebe na evangelização devem fazer parte da sua vida, do seu dia-a-dia.
Bondade - Despertar esse sentimento em relação ao próximo. 

QUADRO DE IMAGENS: (ver exemplo) As aulas deverão ser bem ilustradas e, na medida do possível, com elementos relacionados à historia. Mostrar a alegria em fazer os outros felizes.

CANTINHO DO SABE: Colar imagens de pessoas: crianças, jovens, adultos pedalando ao ar livre.

(A sala deverá ter um cantinho onde serão colada  figuras e frases relacionadas às aulas. Na aula seguinte reler as frases e perguntar se lembram da historinha, fazendo uma rápida recapitulação com o objetivo de manter a  sequência do estudo)

HISTÓRIA :  O TRICÍCLO (ilustrações e atividade)

Edmilson está aprendendo a andar de triciclo. É um lindo dia triciclo azul com rodas vermelhas.
O menino pedala, pedala, sobe e desce. Que divertido!
Chegou sua prima Taiana com um  sapo de pano verde.
- Oba! Deixa eu andar umpouquinho?
Edmilson ficou pensando, pensando.
Será que ele vai deixar a Taiana andar com seu triciclo?
Taiana emprestou o seu boneco.
Enquanto Edmilson brinca com o sapinho verde, Taiana anda de triciclo.
Os dois primos se divertem muito.

SUGESTÃO: BICICLETA
Pedir que as crianças deitem no chão e brinquem de pedalar no ar.


ATIVIDADE: BRINQUEDOS
Levar vários brinquedos, bichinhos de pelúcia ou vinil para as crianças brincarem.


SUGESTÃO PARA SER ENTREGUE AOS PAIS ATRAVÉS DA CRIANÇA: (as crianças gostam e os pais também)

 Reflexão:
"Lembra-te da poção medicamentosa que te suprime a dor, do copo de água pura que dessedenta, do livro simples que baseia a cultura completa e jamais te digas inútil."
Emmanuel, Caminho Illuminado, cap, 3


Fonte:Evangelização Infanto-Juvenil - Aliança Espírita Evangélica
 

 

Atividades:Altruísmo/Prazer de viver (0/3 anos)


quarta-feira, 25 de setembro de 2019

EDUCAÇÃO EVANGÉLICA DOS PAIS



O QUE É A ESCOLA DE PAIS?

A Escola de Pais é um programa de estudos voltados à orientação da família, desenvolvido semanalmente, para os pais ou responsáveis pelas crianças que frequentam a evangelização infantil.

Não é uma escola nos moldes convencionais, mas sim uma reunião fraterna, aberta a diálogos, sem pretensão de ser um curso espírita/doutrinador.


CONSIDERAÇÕES GERAIS

Uma das grandes aspirações dos pais é que seus filhos sejam educados moralmente. Mas são bem poucos os pais que se esforçam para que isto aconteça.

Se o lar e a Evangelização Infantil se completam, estendem-se os ensinamentos da evangelização ao lar e a casa espírita contribui, assim, para a educação moral e religiosa da criança.

O evangelizador conhece a criança como aluno e os pais conhecem como filho.

E o que se pode concluir disso?

Conclui-se que deve haver maior aproximação entre pais e evangelizadores, uma vez que o lar e a evangelização visam o mesmo objetivo, isto é, a boa formação moral da criança.

Insistimo, porém, que esse entendimento não pode e não deve ser apenas teórico. Deve ser real e efetivo. Se os pais apreciam atitudes sadias e cristãs em seus filhos, deverão esforçar-se para apreciar convenientemente as críticas sobre eles, se essas críticas forem salutares e construtivas.

Entendendo e aceitando essas críticas, estarão contribuindo para que o filho, bem orientado, tenha uma vida ordenada e equilibrada, porque outro interesse não move o evangelizador senão o de orientar essa criança que lhe foi confiada.

Os pais não podem conhecer o evangelizador, valendo-se unicamente das informações de seus filhos, assim como o evangelizador igualmente não poderá conhecer os pais somente através das crianças.

Para que a obra de evangelizar atinja os objetivos almejados, é preciso unir o trabalho do evangelizador ao dos pais. É necessário que haja o mais perfeito entrosamento entre ambos, para que o aprendido na evangelização não seja desaprendido no lar.

Se a tarefa da evangelização não atingir o lar, estará incompleta, apresentando deficiência onde deveria encontrar apoio.

O evangelizando deve confiar plenamente naqueles que o orientam, sejam pais ou evangelizadores, para que haja segurança e firmeza na fixação dos ensinos em sua mente.

A criança que aprende como evangelizador um modo de vida cristão, choca-se ao perceber que o lar discorda com a ideia de modificação para melhor.

Se a criança não encontra apoio no lar, os ensinamentos do evangelizador não encontrarão eco em seu Espírito.

É muito importante para a criança que seus pais se entrosem com os ensinamentos recebidos, para o seu próprio bem-estar psíquico.

Quando os pais entram em desacordo com as ideias do evangelizador, automaticamente ficará o evangelizando com grande margem de insegurança, acabando por afastar-se da evangelização, ou buscará outras direções, filosofias e até religiões na ilusória tentativa de encontrar o que lhe falta no ambiente doméstico.

Importante assim que paralelamente à evangelização da infância, exista a reunião de pais e evangelizadores, periodicamente.

Na implantação da Escola de Pais, os evangelizadores poderão realizar visita à casa das crianças, para divulgar o trabalho, distribuir folhetos, convites para que venham e tragam seus filhos, conhecendo mais de perto o modo de vida das crianças, seu relacionamento com os pais e familiares, etc.

Deve o evangelizador aproveitar a visita para mostra aos pais, o objetivo de seu trabalho de evangelização sem o caráter de doutrinação ou forçamentos.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA ESCOLA DE PAIS

Através da exposição e debates de temas, propões reflexão sobre o papel educativo dos pais para harmonizar o ambiente familiar, permitindo a eles tomarem contato com assuntos educativos que possam esclarecer suas dúvidas, ajudando a sanar dificuldades de relacionamentos nos mais diversos aspectos diários.

Transmite conhecimentos psicopedagógicos-espirituais por meio de técnicas, dinâmicas de grupo e troca de experiências pessoais.

Dentre os vários objetivos importantes da Escola de Pais, destacamos os seguintes:

a) Conscientizar os pais do seu papel de educador.

b) Dar aos pais informações atualizadas sobre questões psicológicas, educacionais, pedagógicas e científicas sobre o desenvolvimento e a formação da criança e do adolescente.

c) Revisão de seus próprios conceitos e atitudes.

d) Planejamento de uma educação consciente.

e) integração dos pais com os evangelizadores.

f) Educar-se para educar, tendo como base os ensinamentos de Jesus

 Necessidade de sua criação
 Os pais se queixam quando passam pelas entrevistas no plantão da Assistência Espiritual, geralmente breves, sobre problemas e dúvidas e a busca de informações quanto à impossibilidade de lidar com a problemática infantil e com os adolescentes nos dias atuais.

Na Escola de Pais tem-se mais tempo para discutir sobre temas/assuntos relacionados ao ajustamento biopsicossocial e espiritual dos filhos sob a orientação de expositores profissionais de várias áreas ou leigos que pesquisam e se preparam para transmitir informações sobre um determinado tema, e assim, trocando experiencias e com os esclarecimentos transmitidos, os pais se sentem mais aliviados na árdua tarefa de criar seus filhos da maneira mais saudável e correta possível.

Direção e funcionamento
A Escola de Pais são reunião semanais, fruto de um trabalho paralelo às aulas de Evangelização Infantil,. voltadas para o esclarecimentos dos pais e responsáveis sobre o desenvolvimento psico-pedagógico e social das crianças, enquanto elas também estão em aula.

A Escola de Pais conta com um dirigente e um secretário, preferencialmente com conhecimento e experiência na Evangelização Infantil, e que estão todas as semanas encarregados de receberem os pais, encaminhando-os à sala onde será realizada a reunião.

É importante que seja estipulado um horário de início e encerramento da reunião, que coincida com o tempo das aulas das crianças. Este tempo, para ser proveitoso no desenvolvimento dos temas e discussões deverá ter entre 50 minutos e um hora de duração.

O papel do dirigente é fundamental quanto à observância do horário da reunião procurando cumprir o tempo de seu início e término.

O dirigente ou o secretário são os responsáveis pela direção e funcionamento da reunião, direcionando as apresentações uns dos outros, principalmente quando chegam pais, realizam a preparação/prece, as vibrações, dão recados, fazem convites sobre as demais atividades da casa, transmitem informações sobre o andamento das aulas das crianças, festas, comemorações, campanhas, etc.

É atribuição do dirigente apresentar os expositores, e cuidar para evitar discussões acaloradas quanto aos assuntos polêmicos.

É atribuição do secretário manter contato com os expositores, antecipadamente, a fim de confirmar sua presença nas datas ou possíveis troca e substituições, mantendo assim o ritmo do trabalho o mais satisfatório e organizado possível.

Deverão, dirigente e secretário, participar das reuniões de evangelizadores para trocar informações sobre as crianças, cujos pais frequentam a Escola de Pais, servindo para que os evangelizadores conheçam melhor certas atitudes e comportamentos das crianças/jovens, podendo ajudá-los no decorrer das aulas semanais.

Observação: Todo e qualquer tipo de comentário e informações sobre comportamentos das crianças deverá ficar entre os pais e os evangelizadores, respeitando o sigilo e a ética do trabalho.

Programa e temas da Escola de Pais
 O programa deverá ser elaborado de acordo com a realidade sociocultural do público que frequenta o centro, sempre ao final de cada ano para o devido agendamento com os expositores, logo no início do ano seguinte.

Alguns temas são escolhidos através da análise de um questionário entregue aos pais (em novembro) para que deem sugestões sobre assuntos que gostariam de conhecer, ajudando assim na elaboração do programa e outros tantos temas que fazem parte da estrutura natural de uma escola que trata da formação psíquica, educacional e religiosa das crianças.

Resultados
Os resultados são muito satisfatórios, e com depoimentos de pais mais seguros e otimistas, o grupo se mostra mais participativo e fraterno, percebendo que muitas das dúvidas e dificuldades são comum, caminhando para a melhoria do relacionamento entre os cônjuges, filhos, diminuindo o estresse familiar e a ansiedade dos pais em querer acertar ou temer errar com relação à educação dos filhos.

SUGESTÃO DE TEMAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA DAS REUNIÕES E  ESCOLA DE PAIS

Apesar de cada Grupo Espírita ter suas características próprias, o público que os frequenta ter interesses diversos, de acordo com o local onde se situa, relacionamos a seguir, como sugestão, alguns temas que poderão ser preparados e desenvolvidos por expositores a apresentados nas aulas semanais
1. Preconceito racial e social
2. Gravidez na adolescência - Pais solteiros
3. Como tratar a mediunidade infantil
4. Ingratidão dos filhos - Rejeição dolorosa
5. Como perceber a obsessão
6. O temor da morte - Falar sobra ela às crianças
7. Boas maneiras - Virtudes esquecidas, valores em transição
8. Evangelho no Lar (Explicar e demonstrar)
9. Sexualidade do adolescente
10. Elogio, crítica e demonstração de afeto
11. Filhos adotivos e filhos de pais separados
12. Como ajudar meu filho a tomar-se um adulto feliz
13. A ausência constante dos pais pode mudar o comportamento da criança?
14. A violência urbana limita a liberdade
15. Reflexão sobre a maldade infantil
16. Os aspectos psicológicos da obesidade infantil
17. A alimentação e higiene, de acordo com os recursos
18. Disciplina familiar
19. Ansiedade - Como lidar com ela sem transferi-las aos filhos
20. A participação dos pais na vida escolar e social dos jovens
21. Como explicar aos filhos a perda de um ente querido?
22. Homossexualismo. AIDS, drogas, álcool e companhias
23. Vocação - O que meu filho vai ser quando cresce
24. Relação entre a mente e o corpo - A medicina psicossomática
25. A ajuda dos pais é valiosa, mas cuidado com a superproteção
26. Passes e tratamentos alternativos (Explicar os procedimentos da Assistência Espiritual da casa - Convidar alguém do trabalho para falar)
27. Palavrões e gritos - A magia e a força das palavras
28. Relacionamento familiar entre sogro(a), genro e nora
29. Casamento - Na visão espírita
30. Os terceiros envolvidos na educação (avós, empregados, colegas)
31. O ritmo da vida moderna
32. Chega de violência na TV
33. A Nova Era - A Era da Ecologia
34. O homem na conquista de si mesmo - Vida plena
35. As diferenças e limitações individuais de cada filho
36. A dor do divórcio
37. A arte de envelhecer
38. Rebeldia e desinteresse escolar
39. Preservar o casamento além dos filhos
40. Mamãe sabe tudo
41. Depressão - Síndrome do pânico
42. Aborto
43. Adolescência - O que os filhos esperam de seus pais
44. Ensine seu filho a dizer não à corrupção
45. Medo, tiques nervosos - Como resolver
46. A transferência da educação para a escola
47 . Harmonia no lar - Influência sobre as crianças e os jovens
48. Separações conjugais - Agravo de responsabilidades
49. Formação da família - A função dos pais
50. Compreensão e estímulo: duas grandes necessidade da criança
51. Desentendimentos familiares - Consequências
52. Formação de um ambiente elevado e agradável
53. O lar como escola - Pais e mestres
54. Como educar quando um dos cônjuges diverge
55. Vícios condenáveis - Individual e socialmente
56. Maus costumes e maus hábitos - Reflexos nas crianças
57. Formação religiosa - Sua necessidade - O certo e o errado
58. O que é Cristianismo e suas consequências na vida moral
59. Disciplina no lar. Autoridade legal e moral dos pais
60. Amor e sua aplicação judiciosa na educação das crianças
61. Responsabilidade espiritual dos pais na direção da família
62. Punições corporais - Corretivos ligeiros na infância
63. Inconvenientes da violência com os filhos maiores
64. Trato pessoal no lar e na sociedade
65. Os pais são espelhos para os filhos e seus responsáveis até a maturidade
66. Até que ponto podemos policiar, intervir na atitudes da criança
67. Desobediência e desafio - Conhecer suas causas para poder agir
68. Crianças que mentem - Evitar que ser torne um hábito
69. Ciúmes - Distribuição equitativa de amor e de bens
70. Por que a criança pergunta
71. Personalidade - Respeitar, encaminhar e corrigir excessos
72. Insegurança, ansiedade e revolta das crianças no lar
73. A transição dos sete anos. Integração no mundo material e social
74. Brinquedos que devem ser dados. Tudo o que a criança pede
75. Desarmamento infantil X violência
76. A puberdade - Explicações e ensinamentos
77. Adolescência - Cuidados físicos e companhias
78. Educação dos filhos - A base cristã é a mais segura
79. Filho único - Excesso de cuidados e concessões
80. Causa do medo na criança
81. Socialização - Selecionar ambientes
82. Influência da literatura, rádio e TV
83. Doenças - Morte dos filhos, irmãos ou progenitores
84. Casar novamente; o que dizer ao filho sobre a situação e sobre o outro
85. Inteligência emocional - Como educar seus filhos
86. Estresse - O inimigo silencioso
87. Você não precisa ser perfeito
88. A cada geração os pais têm que atualizar-se
89. O que você deve ou não fazer pelos filhos
90. Quando dizer não aos filhos

Campanha Anual:
Uma vez por ano será lançado um tema para uma campanha anual, que deverá ser abordado e enfatizado na Escola de Pais.

Por exemplo, no ano de 2005, o tema da Campanha foi

"A paz do mundo começa em casa. Escola de Pais - Escola de Paz"

(Aprovado na ASSEMBLÉIA GRUPOS INTEGRADOS  de 7 de fevereiro de 2005.)

Portanto, o programa da Escola de Pais será assim Constituído:

Programa adotado pelo GA=

Sugestão dos Pais      +  Temas do Vivência   +  Tema da Campanha
(específico do GA)             (padronizado)                (padronizado)


Extraído do Livro Vivencia do Espiritismo Religioso - Edgard Armond

sábado, 3 de agosto de 2019

LIVROS E PRIMEIRA INFÂNCIA




Ajude-me a crescer, mas deixe-me ser eu mesmo. Maria Montessori


A primeira infância engloba o período dos 0 aos 6 anos. Nessa época da vida, por exemplo, acontecem processos fundamentais, como o crescimento físico, o amadurecimento do cérebro, o desenvolvimento da fala, da capacidade de aprendizado e a iniciação social e afetiva. Ademais, sem esquecer que o desenvolvimento humano é resultado da combinação genética com a qualidade das relações e do ambiente, quando as condições para o desenvolvimento durante a primeira infância são boas, maiores são as chances de as crianças experimentarem seu melhor potencial, tornando-se adultos autônomos e (mais) equilibrados e felizes.

Os primeiros 3 anos de vida de uma pessoa são anos fundamentais, pois é neste período que acontece o início das conexões sinápticas que o influenciarão pelo resto da vida. Não é à toa que estudos diversos, sobretudo na área da neurociência, descrevem o período dos primeiros mil dias (a contar desde a gestação) como uma etapa fundamental para o desenvolvimento do ser humano. Nesta fase da vida, munidos de amor e presença, faz  bastante sentido que o pai ou a mãe, por exemplo, na função de mediador, entretenha o bebê  por meio da contação: ouvir a voz cadenciada de quem conta uma história infantil se torna um instante rico e prazeroso, fortalecendo o vínculo entre cuidador e bebê, criando, no ambiente da casa, calma e aconchego.

Quais os livros mais indicados para bebês?

Para crianças de até um ano de idade, os livros mais indicados são os com contrastes em preto e branco, os livros-brinquedo – livro de pano, livro de banho, cartonado, com abas, livro com recursos sonoros, táteis e visuais. Sem nenhum receio, também livros em brochura, pois quanto mais variados os gêneros e tipos de livros, mais rica a experiência literária dos bebês.

De outra parte, não esquecer: na hora da contação, nem sempre o bebê vai estar disponível ou tranquilo o suficiente para ouvir a história atentamente. Isso é natural, pois nessa fase é difícil prender a atenção da criança por muito tempo. Portanto, é importante respeitar a reação e o tempo do bebê, sem deixar de oferecer o livro de novo e novo…

Notinha
Os mediadores de leitura são aquelas pessoas que estendem pontes entre os livros e os leitores, ou seja, que criam as condições para fazer com que seja possível que um livro e um leitor se encontrem.

por Eugênia Pickina
Extraído da Revista online O Consolador ano 13 n 630

sexta-feira, 29 de março de 2019

Aula: Bondade (0/3 anos)


OBJETIVO: Moral Cristã - Convidar a criança à prática do bem. Incentivar a bondade, colaboração, alegria de viver, amizade. Tudo deve ser apresentado de maneira simples, levando a criança a descobrir, por si só, a moral da história. A criança deverá entender que os ensinos que recebe na evangelização devem fazer parte da sua vida, do seu dia-a-dia.
Bondade - Despertar esse sentimento em relação ao próximo.



QUADRO DE IMAGENS: (ver exemplo) As aulas deverão ser bem ilustradas e, na medida do possível, com elementos relacionados à historia. Mostrar que a melhor maneira de amar a Deus é respeitar a sua criação  sendo bondosos.


CANTINHO DO SABE: Colar imagens de animais, de crianças brincando, idosos tranquilos.. tudo que represente bondade.


(A sala deverá ter um cantinho onde serão colada  figuras e frases relacionadas às aulas. Na aula seguinte reler as frases e perguntar se lembram da historinha, fazendo uma rápida recapitulação com o objetivo de manter a  sequência do estudo)


HISTÓRIA :  A BONDADE DA VAQUINHA (ilustrações e atividade)
 Era uma vez uma vaquinha que fazia muu...
A vaquinha era amiga do passarinho que fazia piu..piu. E o levava para passear.
Um dia o patinho que fazia quac..quac, viu a vaquinha que fazia muuu.., levando o passarinho que fazia piu..piu.. e também quis passear.
A vaquinha bondosa levou o passarinho e o patinho.
O cachorrinho que fazia au..au. viu a vaquinha que fazia muu... levando o passarinho que fazia piu..piu.. e o patinho que fazia quac..quac... e também que passear.
Então a vaquinha bondosa levou o passarinho, o patinho e o cachorrinho.
O gatinho que fazia miau..miau, viu a vaquinha que fazia muu... levando o passarinho que fazia piu..piu.., o patinho que fazia quac..quac.. e o cachorrinho que fazia au..au.. e também quis passear.
E a vaquinha bondosa levou todos os seus amigos para passear.
.

SUGESTÃO: IMITAÇAO DA VOZ DOS ANIMAIS
Perguntar às crianças como faz a vaca, o passarinho, o pato, o cachorro e o gato.

ATIVIDADE:
LEVAR PARA PASSEAR
O evangelizador chama uma criança pelo nome e lhe dá a mão, dizendo que vão passear, como os personagens da história. Em seguida chama outra e mais outra, formando um cordão de amigos, que passeiam pela sala. 

 
 
SUGESTÃO PARA SER ENTREGUE AOS PAIS ATRAVÉS DA CRIANÇA: (as crianças gostam e os pais também)

 Reflexão:
"A benevolência para com os semelhantes, fruto do amor ao próximo, produz, a afabilidade e a doçura, que são a sua manifestação. Allan Kardec, O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. IX, item, 6.

Fonte:Evangelização Infanto-Juvenil - Aliança Espírita Evangélica

Atividades:Aula: Bondade (0/3 anos)







Fonte:Evangelização Infanto-Juvenil - Aliança Espírita Evangélica


Atividades:Aula: Auxílio ao próximo (0/3 anos)















Fonte:Evangelização Infanto-Juvenil - Aliança Espírita Evangélica

Aula: Auxílio ao próximo (0/3 anos)

OBJETIVO: Desenvolvendo o respeito a tudo aquilo que pertence ao outro, a começar dentro do lar.... na casa dos avós... dos tios... na vizinhança... na escola....nas lojas.. supermercados..Na sociedade. 

Levar a criança a reconhecer que existe limites para explorar os lugares e limites para a curiosidade.

Despertar a necessidade de ajudar as pessoas que nos cercam.



QUADRO DE IMAGENS: (ver exemplo) As aulas deverão ser bem ilustradas e, na medida do possível, com elementos do dia-a-dia. Mostrar que a melhor maneira de amar a Deus é respeitar a sua criação  e ajudar ao nosso próximo como a nós mesmos


CANTINHO DO SABE: Colar imagens de crianças fazendo prece por alguém.  
Aproveitar a historia e reforçar que a prece é uma conversa com Deus  e Deus é nosso Pai Maior.

(A sala deverá ter um cantinho onde serão colada  figuras e frases relacionadas às aulas. Na aula seguinte reler as frases e perguntar se lembram da historinha, fazendo uma rápida recapitulação com o objetivo de manter a  sequência do estudo)


HISTÓRIA :  A PRECE DE NENA (ilustrações e atividade)

Eu me chamo Nena, moro com papai, mamãe e meus irmãos .
À noite, antes de dormir, eu sempre reparava os meus irmãos fazendo a prece e não entendia bem o porquê daquilo.
Então, um belo dia, eu estava brincando com a minha boneca Fifi e papai chegou do serviço sem ninguém esperar.
- Papai por que chegou tão cedo?
- Ah! Nena! O papai está com dor de cabeça e febre. Aaaatchim..
- Chi, papai! O senhor está é com gripe!
O papai foi, então, se deitar e eu fiquei olhando, olhando... enquanto ele dormia. Lembrei-me, naquele instante das preces que meus irmãos faziam.
Falei bem baixinho:
- Papai do céu, ajude o meu papaizinho para quando ele acordar, ele já ter sarado.
E naquele momento, eu nem sabia que, escondidinhos, a mamãe e meus irmãos olhavam admirados o meu jeito de fazer a prece.

SUGESTÃO: CAIXA
Levar uma caixa bem atraente, com palavras edificantes e a cada frase  tirada da caixa fazer um comentário.

ATIVIDADE:
IMITAÇÃO
Pedir que as crianças imitem alguém espirrando, tossindo, soluçando.. Em seguida perguntar:
A Nina fez uma prece quando viu o papai dela espirrando.. E vocês o que fariam quando visse alguém espirrando, tossindo.. soluçando? Ouvir cada uma das resposta e dar um incentivo com palavras.
SUGESTÃO PARA SER ENTREGUE AOS PAIS ATRAVÉS DA CRIANÇA: (as crianças gostam e os pais também)

 Reflexão:
"Aprendamos servindo. Essa é a única fórmula capaz de reunir-nos ao Mestre que procuramos. Emmanuel, Instrumentos do Tempo, cap. 29.

Fonte:Evangelização Infanto-Juvenil - Aliança Espírita Evangélica

Grupo de Evangelização - Faça parte você também

Evangelização Espírita Infantil - Visite

Evangelização Espírita Infantil - Visite
Página do facebook

Evangelização Espírita ME - Visite

Evangelização Espírita ME - Visite
Página do Facebook
" A missão do Espiritismo é Evangelizar!

Quando Ensina - Transmite!
Quando Educa - Disciplina!
Quando Evangeliza - Salva!"

Amélia Rodrigues